Da Paraíba para a Inglaterra: ex-aluna da ONG atua na Europa ajudando pessoas com deficiência

Emmily dos Santos está em Wadhurst, na região leste do país britânico, como voluntária em universidade

Já imaginou ajudar pessoas e realizar um sonho ao mesmo tempo? Essa é a história de Emmily Kethellen Dos Santos, de 23 anos, ex-aluna da Soul Bilíngue. A jovem está realizando um intercâmbio voluntário em Wadhurst, no leste da Inglaterra.


De João Pessoa, na Paraíba, ela sempre sonhou com o intercâmbio. Além disso, realizar uma viagem para o exterior não era o único desejo de Emmily. Formada em Serviço Social pelo Centro Universitário de João Pessoa, ela sempre quis ajudar outras pessoas.


Após adiar a realização deste sonho devido à pandemia, no final de 2021 Emmily aplicou para vaga de intercâmbio voluntário em algumas instituições internacionais. Mesmo com inglês iniciante, ela realizou as entrevistas e preencheu os formulários. Na mesma época, o caminho da jovem se cruza com o da Soul Bilíngue.


Na Soul Bilíngue

Esperando a resposta das instituições, Emmily entrou para o programa de inglês da ONG. “Estudava inglês sozinha, mas era muito difícil e eu não tinha dinheiro para um curso. Por causa das aulas e mentorias na Soul, me senti mais segura em realizar o intercâmbio. Praticava inglês toda semana, principalmente com minha mentora”, diz a jovem, que foi mentorada pela voluntária Veronica Casagrande.


Além de desenvolver o idioma, Emmily conta que aprendeu na Soul Bilíngue a se organizar melhor. Ela, ainda, completa como foi importante o período no programa, quando recebeu o aceite da instituição estava mais confiante para finalizar o processo sozinha.


“Quando preenchi os primeiros formulários, precisei de ajuda de amigos e usei muito o Google tradutor. Mas quando recebi os papeis do aceite, consegui preencher praticamente tudo sozinha e com ajuda da minha mentora”, conta Emmily.


A jovem também destaca como os encontros com o Counselor (psicólogos) foram essenciais no processo da vaga. “Quando estava aplicando eu ficava muito ansiosa, as conversas com a Counselor me ajudaram muito. As temáticas tinham a ver com o que eu estava passando, era um grupo reduzido e abordagem da psicóloga me deixa confortável”, diz.


Agora, em terras inglesas, Emmily está trabalhando de forma voluntária em uma universidade que atende pessoas com deficiência. Ela auxilia os estudantes que moram nos compus com suporte e inclusão em atividades na rotina deles.


84 visualizações0 comentário