Jovens impactados pela Soul Bilíngue retornam ao programa como mentores voluntários

Após finalizarem imersão, estudantes se voluntariam para auxiliar novos participantes no aprendizado de segundo idioma

Retribuir aprendizado é uma das motivações que ex-estudantes encontraram para continuar no programa da Soul Bilíngue, dessa vez como voluntários. No programa atual, ao menos 25 mentores de inglês já estiveram do outro lado, como estudantes, nos semestres passados.


Julia Ferreira, de 27 anos, por exemplo, é ex-aluna da edição de 2020 e jovem embaixadora na ONG. Recentemente, ela voltou do intercâmbio em Cork, na Irlanda, e atua como mentora voluntária pela primeira vez.

Julia Ferreira, jovem embaixadora e mentora da Soul Bilíngue

“Estou aqui porque quero continuar tendo contato com o programa da Soul. E claro, poder ajudar outros jovens a treinarem e desenvolverem um pouco mais o inglês”, comenta Julia, que era estudante da turma avançada de estudos.


Para a mentorada de Julia, Isabela Bispo da Silva, 20, ter uma mentora que já participou do programa é agregador.


“Ela entende o que é ser aluna, sabe como é estar desse lado, além de compreender as dificuldades que tenho em manter uma rotina de estudos e com alguns conteúdos”, conta Isabela.


Assim como Julia, a ex-aluna Laíse Trugilio, 25, também iniciou a jornada como mentora. Ela estudou na ONG no início do ano e, antes de entrar nas mentorias, começou como voluntária na área dos estudantes da Soul Bilíngue.


“Não era um plano, mas quando vi, já estava envolvida com minha primeira aluna. Minha maior motivação foi querer fazer por alguém o que foi feito por mim. Ajudar essa pessoa a crescer e melhorar no idioma”, diz a jovem.

Maria Miriam Barros, ex-aluna e mentora da Soul Bilíngue

Para Maria Miriam Barros, de 27 anos, não foi diferente. A jovem conta que sua experiência como aluna no programa foi importante para a escolha ser voluntária.


“Vi nas mentorias a oportunidade de retribuir todo o aprendizado que recebi. Além disso, ser mentora é uma troca. Assim como ajudo um aluno, eu também aprendo mais o idioma”, conta Maria.


Para se tornar mentor na ONG, os estudantes precisam finalizar o curso de imersão e ter no mínimo nível intermediário de inglês, que é mensurado em testes de proficiência, aplicado pela Soul Bilíngue.


35 visualizações0 comentário