Como a habilidade de se comunicar em inglês muda nossa vida

Atualizado: Set 9

Por Cibele Heiberg*



Em 2017, no auge de uma crise econômica onde era comum chegar na empresa e ver diversas pessoas sendo demitidas e se sentir aliviada por não ser você, eu tive que tomar uma das decisões mais importantes da minha vida: me desligar e trilhar uma nova direção. E por quê? Apesar de ter graduação em uma universidade referência na minha área e ter realizado diversos cursos, isso não foi suficiente pela falta de uma das habilidades mais importantes para a sede de uma multinacional: a comunicação em inglês.


Eu iniciei minha carreira na sede da Nestlé como estagiária, fui efetivada e tive muitas oportunidades trabalhando na Cozinha Experimental e na área de Relacionamento com o Consumidor. Apesar de ter sido uma incrível experiência na empresa dos meus sonhos, como a de muitos jovens, depois de 7 anos eu decidi sair e embarcar em um intercâmbio para aprender inglês. E por que eu não estudei no Brasil?


Sim, eu estudei e tentei diversas escolas e achava que eu tinha o nível elementar até chegar uma visita internacional na sede e eu correr para não ser vista. E minha primeira viagem aos EUA? Uma frustração não poder interagir. O ensino do inglês no Brasil pode ser bom para crianças e jovens, mas para adultos nem sempre é. Por esse motivo, decidi fazer o intercâmbio, porque era a única maneira de aprender.



Os ensinamentos do intercâmbio na prática


Uma das perguntas que você pode fazer é por que se aprende no intercâmbio? Aprende-se não apenas pelo fato de estar em outro país. Isso ajuda, mas não é o fator resultante. O aprendizado se dá pelo fato de existirem escolas qualificadas e certificadas pelos governos, instituições de ensino onde não basta o professor ser nativo. A qualificação é requisito essencial. Não à toa, os professores possuem o Celta, uma qualificação de Cambridge que certifica o professor a lecionar inglês como segundo idioma.


Outro ponto importante é a oportunidade e necessidade de falar com pessoas de outras nacionalidades. O inglês é uma língua internacional e ter a habilidade de entender diferentes sotaques é indispensável.


Depois da minha experiência de 3 meses estudando inglês em Londres, decidi passar um tempo viajando. Uma oportunidade para conhecer novas culturas e melhorar minha autoconfiança no idioma. Sentindo-me confiante ao falar inglês, decidi procurar trabalho em Londres e continuar minha carreira na Inglaterra.


No entanto, percebi que o inglês das viagens não era suficiente para concorrer a vagas semelhantes às que eu tinha no Brasil e foi aí que conheci o Business English - Metodologia da universidade de Oxford para adultos e profissionais que ensina inglês do A1 ao C2 com tópicos relacionados ao mundo corporativo - e foi a partir desse curso que comecei a buscar vagas específicas.


Na Inglaterra, o processo de contratação é um pouco diferente do Brasil. Para a maioria das vagas, é comum a realização de entrevistas tanto com gerentes quanto com diretores. Ou seja, comunicar com confiança é essencial e foi em uma dessas oportunidades que iniciei na área da educação, encontrando mais que uma vaga, o meu propósito de vida.


Uma nova jornada



Iniciei no trabalho como responsável pelos estudantes de intercâmbio de inglês geral. Em pouco tempo já estava ajudando profissionais que buscavam com urgência o desenvolvimento do inglês para objetivos profissionais em Londres. Por meio da atuação com foco em profissionais, percebemos em agosto de 2020, a oportunidade de levar a qualidade que se tem no exterior para mais pessoas por meio do online, estudando com metodologia da Oxford, professores nativos e com qualificação Celta, e acompanhamento de um mentor. Hoje, além dos estudantes da Europa, estamos ajudando também profissionais no Brasil que estão dependendo do inglês para atingir objetivos profissionais.


Um sonho?


Ajudar o maior número de profissionais a se sentirem confiantes quando estão se comunicando em inglês seja em apresentações, reuniões, negociações, falando no telefone ou escrevendo um e-mail.


As portas que o inglês abriu:

  • Curso de extensão na Universidade City of London

  • Oportunidade de trabalho em qualquer lugar do mundo

  • Conhecer meu esposo

Aprendizados das viagens para a vida:

  • Igualdade de gênero na Noruega me impressionou

  • Entendi a importância do feminismo na Rússia

  • Percebi a importância de respeitar diferentes culturas na Turquia


*Cibele Heiberg, diretora e co-fundadora da Falable, parceira da Soul Bilíngue e que está viabilizando intercâmbios para Londres a condições mais acessíveis ao jovens do projeto Novo Extensão da Soul Bilíngue.

56 visualizações0 comentário